terça-feira, 3 de março de 2015

HOJE!!!! LANÇAMENTO DO LIVRO ENCICLOPÉDIA MÁGICA DOS CRISTAIS (RJ)

Na terça-feira, dia 03, temos um encontro marcado no Instituto INANNA, apoiador do livro Enciclopédia Mágica dos Cristais pela Bookstart! Teremos bolo e brindes para os participantes, além de livros e poções à venda! Então, aproveite! Leve seu livro para as autoras autografarem!

Presença da autora radicada na França Daniela Kasparov e da escritora Eddie Van Feu. O evento rola a partir das 17 horas e nós te esperamos lá!

LANÇAMENTO DO LIVRO ENCICLOPÉDIA MÁGICA DOS CRISTAIS (RJ)
Quando: 03 de março, a partir das 17 horas.
Onde: Inanna - Instituto do Conhecimento
Rua Leandro Martins, 20 sobrelojas 201 e 202 – Centro do Rio de Janeiro.
Fanpage: www.facebook.com/InannaInstitutodoConhecimento



segunda-feira, 2 de março de 2015

VÍIDEO DE SEGURANÇA AÉREA PARA NERDS

por Renato Rodrigues
Saca esse vídeo  que a Air New Zeland, principal companhia aérea da Nova Zelândia, lançou como vídeo de segurança temático do Hobbit:



Ah, esse é um admirável mundo novo onde os NERDS são cool e conseguem atingir o respeito dos anunciantes e da sociedade. Bom, quase todos...


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

LEONARD NIMOY (1931-2015)


por Renato Rodrigues
Hoje, Leonard Nimoy partiu numa nova aventura, para explorar novos mundos, novas civilizações. O ator morreu aos 83 anos, em sua casa em Los Angeles. Sua mulher, Susan Bay Nimoy, confirmou a notícia ao New York Times, dizendo que a causa da morte foi o estágio final de doença pulmonar crônica obstrutiva.

No ano passado, ele revelou ter uma grave doença no pulmão. "Parei de fumar 30 anos atrás. Não cedo o suficiente. Eu tenho COPD [doença pulmonar obstrutiva crônica]. O vovô aqui diz pare agora!", escreveu em sua conta no Twitter.

É sempre triste nos despedirmos de alguém que fez parte de nossas vidas por tanto tempo, mesmo de longe, mesmo atuando quando nem tínhamos nascido, mesmo estando no futuro distante ou vindo de um outro planeta... Roubartilhando do amigo JM no Facebook a fala de Kirk em ST II: "De meu amigo só posso dizer o seguinte: De todas as almas que encontrei em minhas viagens a sua foi a mais ...humana."


Perguntei aos amigos aqui do Alcateia: Qual foi sua primeira jornada ao lado de Nimoy?
ANTERO LEIVAS
A primeira foi num comercial na extinta Rede Tupi de Televisão onde o narrador berrava umas três vezes STAR TREK. Quando conheci a série, fiquei mais fã do Capitão Kirk, mas o vulcano Spock vinha em seguida. UM símbolo da minha infância e adolescência". 
"I am not Spock": A pressa em afirmar não ser um personagem que se tornara tão popular na TV, lembrava uma paranóia vivida (e morrida) pelo ator George Reeves, ao perceber-se prisioneiro do Superman num seriado, o que terminara levando-o ao suicídio (não, conspiradores de plantão, ele não foi assassinado). O tempo passou e Nimoy bem que tentou não ser o Spock e até em produções sci-fi bem bacanas, como Invasores de Corpos, a versão de 1978, dirigida pelo Philip Kauffman, mas mesmo diante deste filme, eram inevitáveis os comentários na escuridão materna do cinema: "Ih, o Spock!". 

Finalmente em 1980, a Enterprise retornava com toda pompa e circunstância onde bem merecia estar: nas telonas. Conduzida pelas hábeis mãos de Robert Wise, ali estavam eles, todos de volta: James Tiberius Kirk, Leonard 'Bones' McCoy, Montgomery Scott, Pavel Checov, Nyota Uhura e até a Ordenança Janice Rand. Claro, Mr. Spock demorou um pouco mais a entrar em cena. E causou bem mais ao fazê-lo. Um já não tão jovem Leonard Nimoy obrigara-se a escrever o tal livro, negando ser "apenas" aquele extraterrestre de orelhas pontudas que alguns religiosos confundiam com o demônio. Alguém disse que Jornada nas Estrelas, O Filme não faz jus à série? Bah, calem vossas bocas sub-trekkers! Seis filmes depois, ao fim da Jornada, hoje denominada clássica, em 1995, Nimoy lança, agora sim, sua REAL biografia: I AM Spock. Os fãs exultaram. E ele sabia. Seu personagem não era um mero herói de cinema criado por Gene Rodemberry (não desmerecendo os heróis de cinema, por favor), mas um filósofo quase nietzscheano com sua aparente frieza e predileção por gatos e música, em eterno choque com o emocional Dr. McCoy e numa parceria IMORTAL com o Capitão, Almirante e de novo Capitão Kirk.  
O que tinha o Kirk de explosivo, brigão e pegador, tinha o Spock de racional, reflexivo e contido. Um verdadeiro consegliére para a exploração de novos mundos que a Enterprise fazia. Depois de CINCO franquias, recentemente, a Federação dos Planetas e a tripulação da nave NCC 1701-C voltou ao cinema. Outras faces, novos talentos, mas Mr. Spock, o primeirão, o Leonard, aquele, lá estava. E no outro filme também. Esperávamos ver o Spock na ponta "final" da trilogia. Não deu. Nimoy faleceu. Porra, os heróis também morrem aqui fora. E é isso que torna a vida real, um SACO. Restam-nos os quadrinhos, os livros e os filmes. Afinal, em telonas ou telinhas a vida sempre será ETERNA e próspera, audaciosamente indo onde ninguém jamais esteve! William Shatner, amigo pessoal de Nimoy, entende bem isso, afinal ele sabe que os heróis são eternos. No nosso mundo são! Vá em paz, Mr. Spock.

RENATO RODRIGUES
É difícil marcar a chegada de alguém que pareceu estar sempre presente. Talvez tenha sido durante as reprises na TV Bandeirantes ou quem sabe indiretamente pelo desenho animado da Filmation nos anos 70. O reencontrei mais velho nos filmes quando passaram na Globo e pouco depois na Rede Manchete onde eu saí do holodeck e assumi de vez ser fã da franquia.

RICKY NOBRE
Era em meados da década de 70. Eu deveria ter meus quatro anos, provavelmente. Minha mãe gostava muito, e eu assistia junto. Lembro, nessa época, antes das exibições na Bandeirantes, na década de 80, de forma bem vívida, o episódio que acabou sendo o primeiro a ser exibido na TV americana, apesar de ter sido o sexto produzido. Um ser monstruoso roubava o sal das pessoas, e se passava despercebido por mudar de forma. Eu morria de medo daquilo, mas não conseguia parar de olhar. Sendo bem criança, a série animada foi meu contato maior com a série e o que eu mais gostava. Mas o episódio do monstro foi tão marcante, que eu ainda lembrava detalhes dele quando veio a exibição na Bandeirantes, que foi quando eu realmente me tornei fã. Outra lembrança marcante foi assistir o primeiro longa no cine Imperator, no Méier e, pela primeira vez, ler as legendas sozinho, aos 7 anos. A trama da pequena Voyager 6 que volta inteligente me deixou absolutamente fascinado. Mas precisou de alguns anos e mais maturidade da minha parte até que eu fosse capaz de compreender as sutilezas impressas em Spock pelos escritores e por Nimoy. Especificamente, me encanta a jornada rumo à paz de espírito do personagem que começa no primeiro filme e termina no sexto. Uma jornada que Nimoy também fez, ao se desenvolver como cineasta e aceitar seu lugar na cultura pop, aprendendo que os dois não eram auto excludentes. A lembrança e ao mesmo tempo a mensagem mais marcante que ele me deixou foi sua cena em Ira de Khan. Logo no início, ele declara sua amizade a Kirk dizendo: "Você é meu oficial superior e é também meu amigo. Eu sou e sempre serei seu". Nimoy imprimiu em sua interpretação uma tranquilidade, uma leveza numa declaração de amor aparentemente desprovida de emoção, mas que é profundamente sincera. A paz de uma amizade da qual não se tem dúvidas. É uma cena que sempre me emocionará.
EDDIE VAN FEU
Minha mãe que via Jornada nas Estrelas. Para mim, William Shatner era mesmo o intrépido policial J. T. Hooker em "Carro Comando" (nunca soube o que esse título queria dizer. O que diabos é um carro comando???). Na série, William Shatner arrumava emprego para todos os seus amigos, incluindo... Leonard Nimoy! E dessa vez eu confesso que foi difícil vê-lo sem as orelhas pontudas. Com o tempo, Leonard Nimoy se tornou um ícone, um símbolo e eu sempre parava para prestar atenção quando ele aparecia. A notícia da morte dele me deixa triste, como qualquer despedida de alguém que importa, alguém relevante, mas uma vida grandiosa como a dele não termina. Nunca. Algumas pessoas são assim. Infinitas, imortais e grandes demais para se encaixarem em conceitos arcaicos como tempo.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

DONA FLORINDA ENCONTRANDO SUA DUBLADORA

por Renato Rodrigues
Ontem, o Ratinho provou que ainda vale a pena ter TV aberta trazendo a Florinda Meza para conversar com a sua dubladora, Marta Volpiani, foi muito legal (Para ver clique na imagem abaixo que safado o do Ratinho não deixou incorporar :P ).


Foto da página do DUBLAPÉDIA no Facebook

Marta Volpiani começou a carreira como atriz em novelas nos anos 70 e ingressou na dublagem em 1980, Na ocasião por estar trabalhando na TVS (do grupo Silvio Santos), foi convidada a trabalhar na Maga (A empresa de dublagem do Marcelo "Chaves" Gastaldi), que funcionava dentro da emissora. 

Entre as muitas séries que trabalhou estão a japonesa "Winspector", e os animes "Angel a Menina das Flores" e "As Guerreiras Mágicas Rayearth" como narradora. Mas seu trabalho de maior percussão foi a Dona Florinda e todas as versões em que a atriz Florinda Meza atuou (mesmo no desenho).


Agora um detalhe dos comentários do You Tube:



O povo gosta de uma fulerage!!!!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

NOVO POSTER DOS VINGADORES



por Renato Rodrigues
Ontem todo mundo compartilhou o NOVO poster dos Vingadores, então lá vai uma análise exclusiva quadro a quadro da difundida imagem:







terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

LULUZINHA TEEN, até breve



por Renato Rodrigues
Nesta edição #65 de LULUZINHA TEEN, a turma se despede das bancas com uma capa que, pelo menos, deixa esperança de um retorno. A Luluzinha original mesmo já ficou fora do mercado por 15 anos quando a Abril deixou de distribuí-la nos anos 90 e depois voltou pelas mãos da EDIOURO para a alegria deste marmanjo aqui que vos escreve.

Como observou o redator E. Rodrigues (Não somos parentes!) do site www.planetagibi.net "No caso de LULUZINHA TEEN, vale observar que as revistas em quadrinhos que nascem voltadas para uma faixa etária específica parecem não conseguir seduzir uma nova leva de leitores quando seu público alvo amadurece (e, naturalmente, volta-se para novos interesses). Neste caso, pode-se citar W.I.T.C.H. (produção Disney cancelada no Brasil após quase oito anos de lançamento — boa parte deles com excelente tiragem e várias edições especiais)."

Com uma tiragem inicial de 100 mil exemplares (Investimento ALTO no mercado de hoje que concorre com Internet, celular e TV) a Ediouro se esmerou para investir R$ 1 milhão no projeto LULUZINHA TEEN trazendo a turma para os dias atuais, falando a linguagem dos adolescentes de 12 a 16 anos e trazendo convidados/personagens como a rockeira Pitty a escritora Thalita Rebouças.

TURMA DA MÔNICA JOVEM, sucesso nas bancas nos primeiros anos de seu lançamento, ainda continua "bem, obrigado" mas os muitos blogs dedicados à eles já sumiram (assim como alguns leitores que já devem ter crescido e hoje já devem estar aí batendo às portas do mercado de trabalho!). Em teoria o público deveria se renovar já que ele vêm da linha infantil e todo dia nasce criança no mundo!

Seria a competição com a internet que traz opções gratuitas diariamente? Sei lá, mas ficamos tristes por ver mais um projeto nacional (e carioca) fora do mercado, mas felizes em ver que pelo menos teve a chance de existir e fazer sucesso graças a coragem da Ediouro/Pixel em investir em quadrinhos com preço acessível para crianças e adolescentes, os futuros leitores de livros. Até breve, Lulu!




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

VLOG ALCATEIA #71 - AO VIVO no Oscar 2015



Sempre atrás de seu tempo, o VLOG ALCATEIA se aventurou a transmitir AO VIVO alguns minutos antes do OSCAR 2015 comentando os favoritos, os micos no tapete vermelho, os Oscars de nossa infância e os comentários dos nossos 9 espectadores fiéis!

Depois o bate-papo continuou no Facebook até o fim da festa onde teve brinde por melhor comentário! Curta aí as opiniões de Eddie Van Feu, Renato Rodrigues, Antero Leivas e Ricky Nobre e deixe seu comentário, quem sabe ano que vem fazemos de novo!




(Atualizado) COMO FOI A FESTA?

por Renato Rodrigues
Simpática, mas morna. Pontos altos foram o clip da abertura com a participação do Jack Black, o apresentador de cueca zorbinha (Uma brincadeira em cima de uma cena de Birdman) e, claro, a homenagem aos 50 anos de "A Noviça Rebelde" coma Julia Andrews aplaudida de pé e o musical cantado plea Lady Gaga (Que tomou seus remedinhos e tava super normal)



O PONTO BAIXO foi justamente uma das partes que mais gosto, a homenagem aos artistas que nos deixaram. Foi um clipezinho muito vagabundo com fotos e nenhuma imagem dos filmes, parecia aqueles GIFs animados do Orkut! Eu mandava embora quem fez essa merda!


OS GRANDES VENCEDORES DA NOITE:

Melhor ator coadjuvante: J.K. Simmons (“Whiplash”)
Melhor atriz coadjuvante: Patricia Arquette (“Boyhood”)
Melhores efeitos visuais: “Interestelar”
Melhor animação: “Operação Big Hero”
Melhor canção: “Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (“Selma”)
Melhor trilha sonora: Alexandre Desplat (“O grande hotel Budapeste”)
Melhor diretor: Alejandro Gonzáles Iñárritu (“Birdman”)
Melhor ator: Eddie Redmayne (“A teoria de tudo”)
Melhor atriz: Julianne Moore (“Para sempre Alice”)
Melhor filme: Birdman

VAMO QUEBRÁ TUDO! Bolivianos protestam pelo retorno de Os Simpsons à TV


por Renato Rodrigues
O pau quebrou esse mês na Bolívia depois que a Rede de Televisão Unitel anunciou que iria retirar o desenho da família amarela do ar no horário nobre. Cerca de duas mil pessoas foram para às ruas exigindo que a série voltasse para a programação. 


Imagino que devia parecer Carnaval, eles vestiam máscaras dos personagens e gritavam “Queremos Os Simpsons!”, os manifestantes se organizaram pela internet, e partiram para a ação. Resultado: a Unitel voltou atrás na decisão e com um adendo: aumentou as horas de exibição. 


Até a produção dos Simpson se manifestou agradecendo a passeata:




Taí, parabéns aos Bolivianos!!! Aqui, por enquanto, nossos protestos ficam na teoria mesmo... e nos comentários dos "antenados politizados de direita ou esquerda" no Facebook.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Buck Rogers - Primeirão!



Por Nanael Soubaim.

  Houve uma época em que nenhum herói se atrevia a voar alto demais, foi uma época em que as estrelas só serviam de orientação ou para descansar os olhos à noite, uma época em que todos os heróis esperavam os aliens chegarem à Terra para só então tentarem repelir a invasão. Foi a infância dos quadrinhos, que até então satirizavam quase sempre apenas pessoas ordinárias. Mas isso mudou!

Buck Rogers Flying by Cig Case

  Criado por Philip Francis Nowlan para duas novelas na revista Amazing Stories em 1928, Antony Rogers conseguiu sobreviver à obra e tornou-se herói em tiras de jornal, despertando os sonhos e as esperanças das crianças no futuro como BUCK ROGERS! O herói do futuro!

  Continuando a aparecer muitas vezes em tiras e revistas, quase como um free lance, nosso herói foi finalmente adoptado pela Whitman em 1933, conseguindo doze boas edições pelo selo da Western Publishing, e nele ganhando o formato que o tornou conhecido. De mão em mão ele sobreviveu e ainda hoje tem fãs ardentes pelo mundo, quem sabe até em outros!

  Em essência, Rogers é um militar que sofreu um incidente ao sair da atmosphera terrestre, entrando no que hoje seria chamado de buraco da minhoca, ficando inerte e preservado até acordar no planeta Terra do Século XXV, quando a astúcia e a malícia do Século XX praticamente já não existiam e se faziam
Buster Grabbe, o primeiro Buck Rogeers.
extremamente necessárias, tonando assim o herói do século passado no herói também do futuro. Seu primeiro intérprete no cinema foi o campeão de natação Buster Grabbe, que encarnava como ninguém a estética masculina da época.

  Por suas aparições rápidas, Buck Rogers pode ser considerado um herói relâmpago, que vem, desde o pau no inimigo e volta para o limbo, deixando em uma legião de fãs o gosto de quero mais. A última edição relevante foi em 2009, com treze capítulos, por assim dizer, do Zero ao Doze.

  A última série televisiva de sucesso foi reprisada à exaustão no Brasil, durou de 1979 até 1981. foi estrelada por Gil Gerard como William Buck Rogers, que fazia par não declarado com a encantadora casca-grossa Coronel Wilma Deering, vivida por Eryn Gray. Embora as reprises e o carisma do personagem façam parecer mais, como o Manda-Chuva original, foram apenas 33 episódios; mas pareciam mais de cem, é sério.

  Em uma época em que filmes e séries de heróis podiam ser extremamente toscos, alguns extrapolando os limites da vergonha alheia (né, Marvel?) a série conseguiu evitar se levar muito à sério e os recursos de então foram muito bem aproveitados, mas algumas mudanças na segunda temporada desagradaram ao próprio Gerard, como a inclusão de um homem pássaro que era o último de sua espécie; Marvel demais para o público do herói. A segunda temporada durou só onze episódios. Só o que prestou desta temporada foi o Twiki, um robozinho tosco, claramente uma fantasia que todo mundo fazia de conta que era um robozinho fazendo "beeree-beeree-beeree".

Duck Dodgers original

  Rogers tem a virtude de ser muito humano sem ser canalha, ele às vezes paga mico por sua origem tão antiga, mas sabe dosar a malandragem de nossos dias para aplicá-la onde, e tão somente onde, ela for necessária. Do mundo em que ele vive, posso dizer que praticamente tudo com o que lida se tornou realidade.

  É um dos heróis que há anos pede por uma trilogia em longa-metragem. E como tudo o que é bom, ganhou uma sátira. A Warner Bros escalou alguém que é exactamente o oposto dele para o papel. Patolino foi Duck Dodgers no Século 24¹/², ele ganhou recentemente uma nova série para a televisão, o original é que ainda está em banho-maria, e assim focará até essa onda de filmes de heróis passar e as pessoas "desenjoarem" do tema.